ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

Abaixo estão elencadas algumas atividades realizadas pela Ecotrópica.

2015

ATIVIDADE
Biblioteca (Pesquisas)
APOIO

Descrição

A Fundação Ecotrópica é totalmente a favor das pesquisas, uma prova disso é nossa vasta coleção de livros, catálogos, cartilhas, guias, informativos, CDs, DVDs, entre outros disponíveis em nossa biblioteca. Alguns desses artigos tiveram as áreas da Fundação (RPPNs) como campo para pesquisa. Dentre os diversos temas, nossa biblioteca possui livros sobre, Biomas (Pantanal, Cerrado, Amazônia...), Biodiversidade, impactos ambientais, fauna, flora, hidrográfica, ONGs, política no 3º setor, direito e legislação ambiental dentre muitos outros que promovem a preservação e conservação do meio ambiente.

Se você deseja saber mais venha conhecer!!!!

 

bibliobiblio1

biblio3biblio4


2012 - 2016

ATIVIDADE
PLENÁRIO DO CONAMA
APOIO

Descrição

Durante os anos 2013/2014 a Fundação Ecotrópica através de eleição compôs o PLENÁRIO DO CONAMA NO BIÊNIO e esteve em Brasília para participar das Reuniões Ordinárias (109ª a 116ª) e Extraordinárias (56ª) que ocorreu no período.   

Para o PLENÁRIO DO CONAMA NO BIÊNIO 2015/2017 a Fundação Ecotrópica também estará presente, pois concorreu a reeleição do CNEA sendo a entidade mais votada na Região Centro-Oeste.

 

A Fundação deseja exerce novamente um mandado transparente em prol do Meio Ambiente. 

 

conama


2010 - 2015

ATIVIDADE
PERSISTÊNCIA DEMOGRÁFICA DAS ONÇAS-PINTADAS (Panthera onca) NO PANTANAL DO BRASIL - Allison Loretta Devlin
APOIO
Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros, Parque Nacional do Pantanal Matogrossense, Museu Americano da Histόria Natural, SUNY ESF e Fundação Panthera.

Descrição

PERSISTÊNCIA DEMOGRÁFICA DAS ONÇAS-PINTADAS (Panthera onca) NO PANTANAL DO BRASIL  (versão provisória) 

 

(Texto escrito por Allison Loretta Devlin)

 

Allison Loretta Devlin

B.S., Cornell University (2006)

M.A., Columbia University (2008)

Ph.D.em andamento, SUNY College of Environmental Science & Forestry (2015)

 

SUNY ESF

1 Forestry Drive

Syracuse, NY 13210 USA

Telefone:  001.845.781.6960

E-mail: devlin.allison@gmail.com

 

Orientadores Acadêmicos e Logísticos

Dr. Peter Crawshaw Jr., ICMBio-CENAP

Dr. Jacqueline Frair, SUNY ESF

Dr. James Gibbs, SUNY ESF

Dr. Luke Hunter, Fundação Panthera

Dr. Howard Quigley, Fundação Panthera

Dr. Rafael Hoogesteijn (DVM), Fundação Panthera

Fernando Tortato (M.Sc.), Fundação Panthera

 

Colaboradores

Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros

(ICMBio-CENAP; Atibaia, SP, Brazil)

Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense (ICMBio; Poconé, MT, Brazil)

Fundação Ecotrópica (Cuiabá, MT, Brazil)

Museu Americano da Histria Natural (New York, NY, USA)

SUNY ESF (Syracuse, NY, USA)

Fundação Panthera (New York, NY, USA)

  

 

Introdução

A onça-pintada (Panthera onca) é uma espécie ameaçada de extinção (IUCN 2010), tendo sofrido uma redução de 54% de sua distribuição histórica (Rabinowitz & Zeller 2010). A espécie costumava ocorrer desde o sudoeste dos Estados Unidos até a Patagônia; atualmente, sua distribuição restringe-se do norte do México até o norte da Argentina. Os esforços de conservação agora se concentram em estabelecer uma rede de corredores que incluam todos os ecossistemas onde a espécie ainda ocorre, para assegurar a conectividade genética entre as populações remanescentes (Sanderson et al. 2005; Rabinowitz & Zeller 2010).

Por esse motivo, pesquisas atuais devem, preferencialmente, investigar as caraterísticas das populações de onças-pintadas, incluindo a identificação de áreas-fontes e sumidouro, enfatizando as atividades humanas que as afetam, tanto de forma positiva quanto negativa. Este projeto irá quantificar as estatísticas vitais de duas populações desses felinos, em áreas com diferentes usos e pressão humanas. Uma análise de viabilidade populacional (AVP) Bayesiana será desenvolvida a partir destes dados, levando em conta comparações das caraterísticas demográficas entre as áreas de estudo. Este estudo usará ainda uma combinação de técnicas não invasivas, colares de satélite e GPS, e técnicas genéticas, para obter os dados demográficos necessários para desenvolver a análise de viabilidade populacional.

Os resultados das análises e as novas informações se somarão aos dados já obtidos sobre onças-pintadas no Pantanal e nos corredores ecológicos de sua distribuição (Schaller & Crawshaw 1980; Crawshaw & Quigley 1991; Quigley & Crawshaw 1992; Eizirik et al. 2001; Soisalo & Cavalcanti 2006; Azevedo & Murray 2007; Azevedo 2008; Cavalcanti 2008; Cavalcanti & Gese 2010). Os dados genéticos e demográficos serão analisados em conjunto para fortalecer a inferência sobre a dispersão, e as caraterísticas reprodutivas inter- e intra-populacional. Os dados reprodutivos serão usados para identificar populações-fonte e sumidouro, enquanto que a análise de PVA será usada para explorar cenários futuros prováveis, com técnicas alternativas de manejo (Quigley & Crawshaw 1992).

 

Este projeto quantificará informações vitais sobre a demografia das onças-pintadas que habitam as fazendas São Bento (município de Corumbá, MS) e Jofre (município de Poconé, MT), a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Acurizal (município de Corumbá, MS) e o Parque Nacional do Pantanal (município de Poconé, MT), no Pantanal. O trabalho de campo foi realizado de junho a dezembro de 2012, e de junho a dezembro de 2013. Este projeto é realizado em parceria com o Centro de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (ICMBio-CENAP), Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense (ICMBio), a Fundação Ecotrópica, e autorizado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq (Publicação Portaria MCTI nº 145/12, Processo Expedição Científica n° 000179/2010-8), SISBIO (nº 21447-2 e nº 21447-3) e o visto de pesquisa VITEM I (n° 050777MH). As capturas são aprovadas pelo Instituto de Comitê de Uso e Cuidado dos Animais (válido 2010 - 2014, SUNY ESF, Syracuse, NY, USA).

 

Objetivos Gerais

Este estudo investiga duas perguntas fundamentais sobre a ecologia e conservação de grandes carnívoros. Primeiro, quais são os fatores-chave que influem na dinâmica de populações das onças-pintadas? Segundo, onde as ações de manejo são melhor aplicadas, para assegurar a persistência demográfica desta espécie de carnívoro? Este projeto vai se concentrar na dinâmica demográfica da onça-pintada no Pantanal, integrando a coleta de dados demográficos, ecológicos, e genéticos comparativos (Wikramanayake et al. 1998). Os resultados obtidos serão usados para embasar recomendações de manejo. Será elaborado um plano de manejo com indicações sobre a seleção de corredores e persistência demográfica da onça-pintada no Pantanal.

 

Objetivos Específicos

O estudo será desenvolvido a partir de três pontos principais:

1. Estimar a densidade das onças-pintadas em duas áreas de estudo com diferentes finalidades (RPPNs e parques; fazendas de pecuária), através de análises de marcação-recaptura, utilizando armadilhas-fotográficas, e analises genética.

2. Identificar as populações-fonte e sumidouro. Utilizaremos técnicas genéticas (Eizirik et al. 2008), colares GPS (Cavalcanti & Gese, 2009; Soisalo & Cavalcanti 2006), e funções de seleção de recurso (RSFs) para estimar a probabilidade de ocupação dos diferentes habitats pelas onças-pintadas (Boyce & McDonald 1999).

3. Desenvolver uma análise de viabilidade populacional (PVA) Bayesiana das onças-pintadas no Pantanal, para basear decisões de manejo, formando um sistema de corredores e utilizando todos os cenários propostos atualmente para a espécie por diferentes estudos no Brasil (Quigley & Crawshaw 1992; Eizirik et al. 2001; Rabinowitz & Zeller 2010).

 

Métodos

 

Este projeto irá avaliar a dinâmica e a viabilidade das populações de estudo através de diferentes métodos para determinar sua demografia e genética. As áreas de estudo são as fazendas São Bento (município de Corumbá, MS) e Jofre (município de Poconé, MT), RPPN Acurizal (município de Corumbá, MS) e o Parque Nacional do Pantanal (município de Poconé, MT), no Pantanal.

.

 

Métodos Demográficos

Os dados demográficos consistirão daqueles coletados de indivíduos identificados dentro da população residente (p.ex., fotos tiradas com as armadilhas-fotográficas; ou marcados com técnicas genéticas) e com os dados de rádio telemetria dos indivíduos aparelhados.

 

Colares GPS

Os dados obtidos via colares de VHF e GPS serão usados para estimar sobrevivência específica para cada área de estudo, bem como taxas de dispersão, os efeitos de variáveis ambientais locais nestes fatores, e para produzir modelos de movimento e seleção do hábitat (Frair et al. 2007; Nielsen et al. 2008; Colchero et al. 2010; Beyer et al. 2010; Morales et al. 2010; Tomkiwicz et al. 2010).

 

As onças-pintadas são capturadas com laços feitos com cabos de laço, abertos entre 1800h e as 0600h (para evitar o calor do dia) e monitorados com transmissores VHF, que disparam quando um laço é disparado (Logan et al. 1999; Frank et al. 2003; Balme et al. 2007). Quando um animal é capturado, um dos veterinários associados com o ICMBio-CENAP (Dr. Gediendson Ribeiro de Araujo;Dr. Joares May, Jr.) é responsável pela contenção química (Zoletil, Virbac do Brasil). Cada indivíduo capturado tem um colar ajustado em seu pescoço (GPS-VHF, Vectronic GlobalStar GmbH, Berlin, Alemanha), de forma que não interfira com as suas atividades e comportamento, nem represente risco para sua saúde e sobrevivência.

 

São feitos esforços para se obter uma localização VHF de cada individuo pelo menos três vezes por semana. As localizações de VHF são obtidas a pé ou em barcos de alumínio (Quigley& Crawshaw 1989).Concentrações de pontos (menos de 200 m entre pontos em um período de, no máximo, 24 h) registrados pelo colar de GPS são analisadas através de análise de clusters (Sand et al. 2005; Cavalcanti & Gese 2010).

 

Armadilhas-Fotográficas

São utilizadas 55 armadilhas-fotográficas (Pantheracam v3.0, Fundação Panthera, NY, EUA) para determinar a densidade das onças-pintadas (Karanth & Nichols 1998; Silver et al. 2006; Soisalo & Cavalcanti 2006). Foram conduzidas duas campanhas de armadilhamento nas áreas de estudo: em Acurizal de julho a setembro de 2013, durante 40 dias (Figura 2). São utilizadas duas câmeras por estação e um total de aproximadamente 20-23 estações por área de estudo. As fotos resultantes são analisadas nos programas Pantheracam (Fundação Panthera, NY, EUA) e Photospread (v.7.3; Stanford University, CA, EUA). O histórico de capturas (fotos) é analisado no programa MARK (v.6.1, Colorado State University, CO, USA), para determinar a densidade das onças-pintadas nestas áreas.

 

Transecções Lineares

Serão selecionadas quatro transectos de 4 km nos diferentes habitats da RPPN Acurizal, para estimar a abundância relativa das espécies-presas.

 

Análises de Habitat

 

Os habitats amostrados serão pastagem, cerrado, mata secundaria, e mata decídua para comparar aos dados históricos (Prance & Schaller 1982). Esses dados com as características de hábitat permitirão estimar a probabilidade de ocupação (Boyce & McDonald 1999).

 

Métodos Genéticos

São coletadas oportunisticamente fezes frescas das onças-pintadas para conduzir análises genéticas (May et al. 2009; Amato et al. 2010). Metade de cada amostra será enviada aos Estados Unidos para análise no laboratório do Museu Americano de História Natural (AMNH; Nova Iorque, NY, EUA). A outra metade ficará no Brasil, sendo depositada na coleção do ICMBio-CENAP (Atibaia, SP, Brasil). Já foi obtida uma licença de exportação da CITES (nº 521491), estando às licenças adicionais em andamento. As análises utilizadas serão PCR, microssatélite e mtDNA. Todos os protocolos para a coleta de fezes seguirão o manual produzido pela Panthera e pelo AMNH (Amato, Rabinowitz & Hunter 2010). 

 

Integração de Metodologias de Demografia e Genética

As análises genéticas incluirão a identificação da espécie, sexo, e indivíduo via PCR, microssatélites e marcadores mtDNA. O DNA ajudará na determinação de parentesco entre as onças-pintadas estudadas. Os resultados obtidos serão também comparados às informações genéticas coletadas em estudos prévios, em toda a sua distribuição remanescente (Eizirik et al. 2001). Nossos dados fornecerão informações importantes sobre o parentesco e dispersão das onças-pintadas entre o parque e as fazendas, se ela ocorrer. Os exames de parentesco serão usados para identificar os indivíduos em processo de dispersão. A técnica de marcação-recaptura será usada com amostras de DNA como uma estimativa adicional da densidade de população. As análises seguirão aquelas desenvolvidas para as populações das onças-pintadas na Mata Atlântica (Haag et al. 2010). Por outro lado, informações coletadas através dos colares GPS e dos transectos de espécies-presas revelarão aspectos importantes dos movimentos das onças-pintadas em relação às presas e habitats, e indicarão quais variáveis são importantes para a persistência desta espécie nas fazendas e no parque.

 

Um plano de manejo será desenvolvido com estes dados, principalmente através de uma análise de AVP (Análise de Viabilidade Populacional), fornecendo assim informações importantes sobre a seleção de corredores e a persistência demográfica da onça-pintada no Pantanal.

 

AVP Bayesiano: Modelos & Simulações

As taxas de sobrevivência, de dispersão, e de fertilidade das populações estudadas serão usadas para desenvolver um modelo de população-matriz, e posteriormente, uma análise de viabilidade populacional (AVP), em combinação com modelos de movimento (Colchero et al. 2010). Vários modelos serão examinados, utilizando análises de sensitividade e elasticidade, para determinar quais taxas vitais são as mais críticas para o crescimento e estabilidade da população. Destes dados, as análises de simulações de fases de vida serão utilizadas para projetar como a população do Pantanal se comportará mediante diferentes esquemas de manejo (Wisdom et al. 2000).

 

Resultados Atuais das Campanhas (2013)

Capturas para colocação de Colares GPS

No projeto como um todo (Crawshaw et al. 2012), foi capturado nos parques um total de 5 onças-pintadas (2 fêmeas e 3 machos) entre os anos 2010 - 2011. Um histórico das localizações coletadas através dos colares GPS está na Tabela 1.

 

Armadilhas-Fotográficas

A grade utilizada nas áreas protegidas (RPPN Acurizal e o Parque Nacional) registrou um total de 144 fotos das onças-pintadas durante 40 dias (23 julho - 01 setembro 2013), das quais foram identificados, com base nas manchas na pelagem,13 indivíduos. Esses números são menores que aqueles encontrados no ano passado (2012: 19 indivíduos, 206 fotos), talvez porque o acesso a 3 estações localizadas em baías foi bloqueado com plantas aquáticas, e o equipamento de uma estação foi roubado. As espécies de mamíferos encontrados e fotografados nas armadilhas-fotográficas são registradas na Tabela 2.

 

Análises de Habitat

No ano 2012, foram demarcados os cinco lotes de 1hanos diferentes tipos de habitats, nas duas áreas de estudo (Acurizal e fazenda São Bento). Foram medidas todas as árvores com diâmetro na altura do peito (DAP>15cm dentro dos lotes. Estão sendo analisados atualmente os dados para relacionar o DAP às espécies identificadas e produzir uma estimativa de densidade por espécie de árvore. As medições básicas (DAP médio por lote) estão na Tabela 3.

 

Resultados Esperados (2014 - 2015)

O principal objetivo deste projeto é estabelecer os parâmetros preliminares que permitam identificar populações-fonte e populações-sumidouro de onças-pintadas. Os parâmetros vitais serão usados para desenvolver uma análise de AVP Bayesiano, para sugerir alternativas de manejo.

 

A porção comparativa deste estudo indicará como várias técnicas de manejo ou diferentes usos da área influem na ecologia da onça-pintada. Através das localizações de telemetria de GPS, por monitoramento em tempo real, este projeto utilizará os dados em modelos de movimentos espaço-temporais e das interações das onças-pintadas (Ruth et al. 2001; Smouse et al. 2010).

 

Identificação individual

Localização

Inicio - Monitoramento

Final - Monitoramento

Número de pontos coletados

M06

PNPM

12/07/2010

26/08/2010

135

 

M08

RPPN Ac

08/07/2011

04/10/2011

110

 

M09

PNPM

02/07/2011

20/08/2011

28

 

F02

PNPM

08/07/2010

26/08/2010

134

 

F03

PNPM

08/07/2011

30/09/2011

72

 

 

Tabela 1. Lista atualizada das onças-pintadas capturadas entre os anos 2009 - 2013 no projeto com a Panthera e resumido no relatório prévio (submetido á ICMBio: Crawshaw et al. 2012 "Relatório de Atividades - Projeto Ecologia e Conservação da Onça-Pintada no Pantanal Mato-grossense"). Aqui, em coluna Localização, PNPM = Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense; RPPN Ac = RPPN Acurizal.

 

Tais padrões do movimento serão comparados com aqueles obtidos em outras pesquisas prévias

com onças-pintadas no Pantanal (Schaller & Crawshaw 1980; Crawshaw & Quigley 1991).

 

Os dados de armadilhas-fotográficas fornecerão informações complementares sobre a densidade e padrões de movimento das onças-pintadas não-aparelhadas com colares. Os dados genéticos resultantes deste estudo produzirão um mapagenômico da onça-pintada e padrões de dispersão genética dentro da região do Corredor do Rio Cuiabá, no Pantanal. A partir desses dados genéticos, será construído um mapa da estrutura genética da população de onças-pintadas do Pantanal (Eizirik et al. 2001; Eizirik et al. 2008).

 

Os resultados deste estudo serão submetidos a publicações técnicas acadêmicas.

Serão usados também para fazer recomendações de manejo, que serão compartilhadas com organizações de conservação locais, nacionais e internacionais. serão feitas apresentações em conferências apropriadas e reuniões públicas.

 

Cronograma (2014)

Nesta seção, são detalhadas as datas de viagem e localidades associadas com este projeto. As cidades principais e as localidades que serão visitadas durante esta etapa do projeto incluem: São Paulo (SP); Atibaia (SP); Cuiabá (MT); Fazenda Porto Jofre (MT); Fazenda São Bento (MS); Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense (MT); e RPPN Acurizal (MS). As cidades de São Paulo, Atibaia e Cuiabá serão visitadas repetidas vezes, dependendo das chegadas e partidas de e para o Brasil. Quando da chegada ao Brasil, serão agendadas oportunisticamente reuniões em Atibaia para discussões com os contatos no CENAP. Depois, o destino será Cuiabá e Porto Jofre. Abaixo, segue o itinerário detalhado para o ano 2014 (Tabela 4).

 

Espécies de Mamíferos

RPPN Acurizal

PNPM

Aotidae

Aotus azarae

 

ü

 

-

Callitrichidae

Mico melanarus

 

ü

 

-

Canidae

Cerdocyon thous

Speothos venaticus

 

ü

-

 

-

-

Caviidae

Hydrochoerus hydrochaeris

 

ü

 

ü

Cebidae

Cebus cay

 

ü

 

-

Cervidae

Blastocerus dichotomus

Mazama spp.

Ozotoceros bezoarticus

 

ü

ü

-

 

-

-

-

Dasypodidae

Dasypus novemcinctus

Priodontes maximus

Tolypeutes tricinctus

 

ü

ü

ü

 

-

-

-

Dasyproctidae

Dasyprocta azarae

 

ü

 

-

Didelphidae

Didelphis albiventris

 

ü

 

ü

Felidae

Panthera onca

Puma concolor

Leopardus pardalis

Herpailurus yagouaroundi

 

ü

ü

ü

ü

 

ü

-

ü

-

Leporidae

Sylvilagus brasiliensis

 

ü

 

-

Mustelidae

Eira barbara

Galictis vittata

Pteronura brasiliensis

 

ü

ü

-

 

-

-

-

Myrmecophagidae

Myrmecophaga tridactyla

 

ü

 

ü

Tamandua tetradactyla

-

ü

Pitheciidae

 

 

Callicebus pallescens

ü

-

Procyonidae

Nasua nasua

Procyon cancrivorus

 

ü

ü

 

ü

-

Sciuridae

Sciurus aestuans

 

ü

 

-

Tapiridae

Tapirus terrestris

 

ü

 

-

Tayassuidae

Pecari tajacu

Tayassu pecari

 

ü

-

 

-

-

 Tabela 2. As espécies de mamíferos encontrados e fotografados nas armadilhas-fotográficas em: RPPN Acurizal (MS, Brasil) e PNPM (MT, Brasil; julho - setembro 2012 e 2013).

 

 

Lote

N° árvores

(DBH >15cm / lote)

DBH Médio (cm)

Cerrado

339

42.80

"Pastagem"

*

*

Mata Decídua I

313

65.30

Secundária

1001

40.23

Mata Decídua II

437

46.50

 Tabela 3. O numero de árvores e o DBH médio das árvores nos lotes na RPPN Acurizal (2012).

 

Mês de 2014

Atividade

Localização

01 janeiro - 19junho

Semestre na universidade;

análises de dados

SUNY ESF (Syracuse, NY, EUA)

20 junho - 15 agosto

Campanha das armadilhas-fotográficas

RPPN Acurizal (MS, Brasil); Parque Nacional do Pantanal - Matogrossense (MT, Brasil)

01 julho - 01agosto

Censos das espécies presas

RPPN Acurizal (MS, Brasil)

01 julho - 01agosto

Coletar fezes das onças-pintadas

RPPN Acurizal (MS, Brasil)

 Tabela 4. Cronograma detalhado para o ano 2014.

 

Referéncias

Amato, G., S. Rabinowitz & L. Hunter. 2010. A Field Manual for the Collection, Storage, and Transportation of Biomaterials for Genetic Studies on Felids. Panthera / American Museum of Natural History, 20 pp.

Azevedo, F.C. & D.L. Murray. 2007. Spatial Organization and Food Habits of Jaguars (Panthera onca) in a Floodplain Forest. Biological Conservation 137: 391-402.

Azevedo, F.C. 2008. Food Habits and Livestock Depredation of Sympatric Jaguars and Pumas in the Iguaçu National Park Area, South Brazil. Biotropica 40(4): 494-500.

Balme, G., L. Hunter & R. Slotow. 2007. Feeding Habitat Selection by Hunting Leopards (Panthera pardus) in a Woodland Savanna: Prey Catchability versus Abundance. Animal Behavior 74(3): 589-598.

Balme, G., L. Hunter & R. Slotow. 2009. Evaluating Methods for Counting Cryptic Carnivores. The Journal of Wildlife Management 73(3): 433-441.

Beyer, H.L., D.T. Haydon, J.M. Morales, J.L. Frair, M. Hebblewhite, M. Mitchell & J. Matthiopoulos. 2010. The Interpretation of Habitat Preference Metrics under Use-Availability Designs. Philosophical Transactions of the Royal Society (B) 365: 2245-2254.

Boyce, M.S. & L.L. McDonald. 1999. Relating Populations to Habitats Using Resource Selection Functions. Trends in Ecology & Evolution 14(7): 268-272.

Cagnacci, F, L. Boitani, R.A. Powell & M.S. Boyce. 2010. Animal Ecology Meets GPS-Based Radiotelemetry: a Perfect Storm of Opportunities and Challenges. Philosophical Transactions of the Royal Society (B) 365: 2157-2162.

Carroll, C. & D.G. Miquelle. 2006. Spatial Viability Analysis of Amur Tiger (Panthera tigris altaica)in the Russian Far East: the Role of Protected Areas and Landscape Matrix in Population Persistence. Journal of Applied Ecology 43: 1056-1068.

Cavalcanti, S.M.C. 2008. Predator-Prey Relationships and the Spatial Ecology of Jaguars in the Southern Pantanal, Brazil: Implications for Conservation and Management. Ph.D. Thesis, Utah State University: 155 pp.

Cavalcanti, S.M.C. & E.M. Gese. 2010. Kill Rates and Predation Patterns of Jaguars (Panthera onca) in the Southern Pantanal, Brazil. Journal of Mammalogy 91(3): 722-736.

Colchero, F., D.A. Conde, C. Manterola, C. Chávez, A. Rivera & G. Ceballos. 2010. Jaguars on the Move: Modeling Movement to Mitigate Fragmentation from Road Expansion in the Mayan Forest. Animal Conservation: 1-9.

Crawshaw, P.G. & H.B. Quigley. 1991. Jaguar Spacing, Activity and Habitat Use in a Seasonally Flooded Environment in Brazil. Journal of Zoology, London 223: 357-370.

Crawshaw, P.G. 2010. Extrato da Solicitação. Report to IBAMA, Brazil: 5 pp.

Crawshaw, P.G., H.B. Quigley, F.R. Tortato, R.J. Hoogesteijn, J.A. May, R.G. Morato, G.A.          Balme, S.M.C. Cavalcanti & A.L. Devlin. 2012. Relatόrio de Atividades - Projeto Ecologia e Conservação da Onça-Pintada no Pantanal Matogrossense. Report to IBAMA, Brasil: 7 pp.

Deem, S.L. & W.B. Karesh. 2005. The Jaguar Health Program Manual. Wildlife Conservation Society, Bronx, NY: 61 pp.

Durant, S.M. 1998. Competition Refuges and Coexistence: An Example from Serengeti Carnivores. Journal of Animal Ecology 67(3): 370-386.

Eizirik, E., J.H. Kim, M. Menotti-Raymond, P.G. Crawshaw, S.J. O’Brien & W.E. Johnson. 2001. Phylogeography, Population History and Conservation Genetics of Jaguars (Panthera onca, Mammalia, Felidae). Molecular Ecology 10: 65-79.

Eizirik, E., T. Haag, A.S. Santos, F.M. Salzano, L. Silveira, F.C.C. Azevedo & M.M. Furtado. 2008. Jaguar Conservation Genetics. CAT News 4: 31-34.

Emmons, L.H. 1987. Comparative Feeding Ecology of Felids in a Neotropical Rainforest. Behavioral Ecology and Sociobiology 20(4): 271-283.

Frair, J.L., S.E. Nielsen, E.H. Merrill, S.R. Lele, M.S. Boyce, R.H.M. Munro, G.B. Stenhouse & H.L. Beyer. 2004. Removing GPS Collar Bias in Habitat Selection Studies. Journal of Applied Ecology 41: 201-212.

Frank, L., D. Simpson & R. Woodroffe. 2003. Foot Snares: an Effective Method for Capturing African Lions. Wildlife Society Bulletin 31(1): 309-314.

Gaona, P., P. Ferreras & M. Delibes. 1998. Dynamics and Viability of a Metapopulation of the Endangered Iberian Lynx (Lynx pardinus). Ecological Monographs 68(3): 349-370.

Haag, T., A.S. Santos, D.A. Sana, R.G. Morato, L. Cullen Jr., P.G. Crawshaw Jr., C. De Angelo, M.S. Di Bitetti, F.M. Salzano & E. Eizirik. 2010. The Effect of Habitat Fragmentation on the Genetic Structure of a Top Predator: Loss of Diversity and High Differentiation Among Remnant Populations of Atlantic Forest Jaguars (Panthera onca). Molecular Ecology. Dryad Digital Repository, doi:10.5061/dryad.1884.

Haines, A.M., M.E. Tewes, L.L. Laack, J.S. Horne & J.H. Young. 2006. A Habitat-Based Population Viability Analysis for Ocelots (Leopardus pardalis) in the United States. Biological Conservation 132: 424-436.

Hayward, M.W., J. O’Brien & G.I.H. Kerley. 2007. Carrying Capacity of Large African Predators: Predictions and tests. Biological Conservation 139: 219-229.

Hoogesteijn, R. 2004. Manual on the Problem of Depredation Caused by Jaguars and Pumas on Cattle Ranches. Wildlife Conservation Society: 35 pp.

International Union for the Conservation of Nature (IUCN). 2010. IUCN Red List of Threatened Species 2010.2. www.iucnredlist.org.

Karanth, U.K. & M.E. Sunquist. 1995. Prey Selection by Tiger, Leopard and Dhole in Tropical Forests. Journal of Animal Ecology 64(4): 439-450.

Kelly, M.J. & S.M. Durant. 2000. Viability of the Serengeti Cheetah Population. Conservation Biology 14(3): 786-797.

Kenney, J.S., J.L.D. Smith, A.M. Starfield & C.W. McDougal. 1995. The Long-Term Effects of Tiger Poaching on Population Viability. Conservation Biology 9(5): 1127-1133.

Levin, S.A. 1976. Population Dynamic Models in Heterogeneous Environments. Annual Review of Ecology and Systematics 7: 287-310.

Lindenmayer, D.B., T.W. Clark, R.C. Lacy & V.C. Thomas. 1993. Population Viability Analysis as a Tool in Wildlife Conservation Policy: with Reference to Australia. Environmental Management 17(6): 745-758.

Linkie, M., G. Chapron, D.J. Martyr, J. Holden & N. Leader-Williams. 2006. Assessing the Viability of Tiger Subpopulations in a Fragmented Landscape. Journal of Applied Ecology 43: 576-586.

Logan, K.A., L.L. Sweanor, J.F. Smith & M.G. Hornocker. 1999. Capturing Pumas with Foot-Hold Snares. Wildlife Society Bulletin 27(1): 201-208.

May-Junior, J.A., N. Songsasen, F.C. Azevedo, J.P. Santos, R.C. Paula, F.H.G. Rodrigues, M.D. Rodden, D.E. Wildt & R.G. Morato. Hematology and Blood Chemistry Parameters Differ in Free-Ranging Maned Wolves (Chrysocyon brachyurus) Living in the Serra da Canastra National Park versus Adjacent Farmlands, Brazil. Journal of Wildlife Diseases 45(1): 81-90.

Mills, L.S. 2007. Dynamics of Multiple Populations. Chapter 10 inConservation of Wildlife Populations: Demography, Genetics, and Management. Blackwell Publishing Ltd., Oxford, UK: 199-222.

Morales, J.M., P.R. Moorcroft, J. Matthiopoulos, J.L. Frair, J.G. Kie, R.A. Powell, E.H. Merrill & D.T. Haydon. 2010. Building the Bridge between Animal Movement and Population Dynamics. Philosophical Transactions of the Royal Society (B) 365: 2289-2301.

Murayama, A. 2008. The Tushima Leopard Cat (Prionailurus bengalensis euptilura): Population Viability Analysis and Conservation Strategy. Master’s Thesis at Imperial College London: 102 pp.

Morris, W.F. & D.F. Doak. 2002. Quantitative Conservation Biology: Theory and Practice of Population Viability Analysis. Sinauer Associates Inc., Sunderland, MA: 480 pp.

Prance, G.T. & G.B. Schaller. 1982. Preliminary Study of Some Vegetation Types of the Pantanal, Mato Grasso, Brazil. Brittonia 34(2): 228-251.

Quigley, H.B. & P.G. Crawshaw. 1989. Use of Ultralight Aircraft in Wildlife Radio Telemetry. Wildlife Society Bulletin 17(3): 330-334.

Quigley, H.B. & P.G. Crawshaw. 1992. A Conservation Plan for the Jaguar (Panthera onca) in the Pantanal Region of Brazil.  Biological Conservation 61: 149-157.

Quigley, H.B. & P.G. Crawshaw. 2002. Reproduccíon, Crecimento y Dispersión del Jaguar en la Región del Pantanal de Brasil inEl Jaguar en el Nuevo Milenio. Universidad Nacional Autonomo de Mexico / Wildlife Conservation Society, Mexico City: 289-302.

Rabinowitz, A.R. & B.G. Nottingham. 1986. Ecology and Behavior of the Jaguar (Panthera onca) in Belize, Central America. Journal of Zoology, London (A) 210: 149-159.

Rabinowitz, A.R. & K.A. Zeller. 2010. A Range-Wide Model of Landscape Connectivity and Conservation for the Jaguar (Panthera onca).  Biological Conservation 143(4): 939-945.

Ruth, T.K., P.C. Buotte & H.B. Quigley. 2001. Comparing Ground Telemetry and Global Positioning System Methods to Determine Cougar Kill Rates. Journal of Wildlife Management 74(5): 1122-1133.

Sand, H., B. Zimmerman, P. Wabakken, H. Andrèn & H.C. Pedersen. 2005. Using GPS Technology and GIS Cluster Analyses to Estimate Kill Rates in Wolf – Ungulate Ecosystems. Wildlife Society Bulletin 33(3): 914-925.

Sanderson, E.W., K.H. Redford, C.L.B. Chetkiewicz, R.A. Medellin, A.R. Rabinowitz, J.G. Robinson & A.B. Taber. 2002. Planning to Save a Species: the Jaguar as a Model. Conservation Biology 16(1): 58-72.

Schaller, G.B. 1979. On the Status of Jaguar in the Pantanal. Report to Instituto Brasileiro Desenvolvimento Florestal, Brasilia.

Schaller, G.B. & P.G. Crawshaw. 1980. Movement Patterns of Jaguar. Biotropica 12(3): 161-168.

Silver, S.C., L.E.T. Ostro, L.K. Marsh, L. Maffei, A.J. Noss, M.J. Kelly, R.B. Wallace, H. Gomez & G. Ayala. 2004. The use of camera traps for estimating jaguar (Panthera onca) abundance and density using capture / recapture analysis. Oryx 38(2): 148-154.

Smith, J.L.D. & C.W. McDougal. 1991. The Contribution of Variance in Lifetime Reproduction to Effective Population Size in Tigers. Conservation Biology 5(4): 484-490.

Smouse, P.E., S. Focardi, P.R. Moorcroft, J.G. Kie, J.D. Forester & J.M. Morales. 2010. Stochastic Modelling of Animal Movement. Philosophical Transactions of the Royal Society (B) 365: 2201-2211.

Soisalo, M.K. & S.M.C. Cavalcanti. 2006. Estimating the Density of a Jaguar Population in the Brazilian Pantanal using Camera Traps and Capture-Recapture Sampling in Combination with GPS Radio-Telemetry. Biological Conservation 129: 487-496.

Thomas, L., S.T. Buckland, E.A. Rexstad, J.L. Laake, S. Strindberg, S.L. Hedley, J.R.B. Bishop, T.A. Marques & K.P. Burnham. 2010. Distance software: design and analysis of distance sampling surveys for estimating population size. Journal of Applied Ecology 47: 5-14.

Tomkiewicz, S.M., M.R. Fuller, J.G. Kie & K.K. Bates. 2010. Global Positioning Systems and Associated Technologies in Animal Behaviour and Ecological Research. Philosophical Transactions of the Royal Society (B) 365: 2163-2176.

Turner, M.G., R.H. Gardner & R.V. O’Neill. 2001. Organisms and Landscape Pattern. Chapter 8 inLandscape Ecology in Theory and Practice. Springer Inc., New York, NY, USA: 201-247.

Wikramanayake, E.D., E. Dinerstein, J.G. Robinson, U. Karanth, A. Rabinowitz, D. Olson, T. Mathew, P. Hedao, M. Conner, G. Hemley & D. Bolze. 1998. An Ecology-Based Method for Defining Priorities for Large Mammal Conservation: the Tiger as a Case Study. Conservation Biology 12(4): 865-878.

 

Wisdom, M.J., L.S. Mills & D.F. Doak. 2000. Life Stage Simulation Analysis: Estimating Vital-Rate Effects on Population Growth for Conservation. Ecology 81: 628-41.


2007 - 2014

ATIVIDADE
Monitoramentos
APOIO

Descrição

Monitoramentos 

O monitoramento tem por finalidade levar ao conhecimento dos parceiros as atividades desenvolvidas pela Ecotrópica na gestão das Reservas Naturais Acurizal, Penha, Rumo ao Oeste e Dorochê, visando aumentar a eficiência e a eficácia na gestão do mosaico das Áreas Protegidas Privadas que compõem o Sitio do Patrimônio Natural Mundial.

 

Viagens de Gestão

As viagens de gestão são os deslocamentos que a equipe sede da Ecotrópica realiza a cada quarenta e cinco dias para as Reservas. Estas viagens constam de duas etapas, uma terrestre que vai de Cuiabá a Poconé por cerca de 100 km em estrada de asfalto, depois, Poconé até Porto Jofre pela Estrada Parque Transpantaneira por aproximadamente 150 km em estrada de chão. Do Porto Jofre a equipe desce de barco pelo rio Cuiabá até o encontro com o Rio Paraguai e sobe o mesmo por cerca de 15minutos até chegar na Reserva Acurizal.

 

 

barco carregado

Embarque de material  e pessoal no Porto Jofre para descer o Rio Cuiabá

 

Atividades Desenvolvidas No Monitoramento:

 

GESTÃO DAS RESERVAS:

Manutenção das trilhas do interior da Reserva de Acurizal que servem para as atividades de gestão, controle de fogo, pesquisa e educação ambiental. Esta manutenção é necessária devido à erosão causada pela chuva e pelo crescimento da vegetação no leito das trilhas.

 

trilhastrilha2

Limpeza de trilhas para permitir o acesso  para combate a incêndio florestal

 

 

  •   Manutenção da pista de pouso, dos geradores, motores de popa, trator e outros equipamentos que requerem cuidados frequentes em função de desgastes.

 

pistadepouso

 Recuperação da cabeceira da pista de pouso de Acurizal (700,0 m de comprimento)

 

  •    Adequações e melhoria nos alojamentos, casas de funcionários, sala de interpretação, cozinha, escritório de administração, horta e roça visando uma melhoria na qualidade de vida dos funcionários e visitantes.

manu

Pintura da Sede da Ecotrópica em Acurizal.

 

 

manutencaosede

Manutenção de telhados dos apartamentos com colocação de cobertura antimorcego

 

 

  • CONSERVAÇÃO DA NATUREZA

 

  Projeto Arara Azul Grande (Anodorhynchus hyacinthinus)

A Ecotrópica iniciou os primeiros levantamentos das metapopulações de araras azuis grandes (Anodorhynchus hyacinthinus) no interior e entorno imediato do Sítio do Patrimônio Natural Mundial um vez que só existem populações comprovadas de Anodorhynchus hyacintinus no interior do Sítio na Reserva Dorochê.

No entanto na Avaliação Ecológica Rápida elaborada para a realização do Plano de Manejo do Parque Nacional do Pantanal foi constatado que a arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus) ocorria na antiga Fazenda Acurizal até a década de 80. Em fevereiro de 1996 foi encontrada uma pena dessa ave, na ponta norte do maciço do Amolar, sendo este o último registro conhecido no local.

 

·        Levantamento de Fauna de Vertebrados

A equipe da Ecotrópica está desenvolvendo um levantamento rotineiro de fauna dentro dos limites da RPPN Acurizal utilizando armadilhas fotográficas instaladas em locais estratégicos. Essa atividade visa produzir conteúdo que apoie as decisões de gestão da reserva amparadas no melhor conhecimento da existência e distribuição da fauna na Reserva.

(Confira as fotos na aba de notícias sobre levantamento de Fauna)

 

Durante este ano foram fotografados:

Nome Comum

Nome Cientifico

Jaguatirica

Felis pardalis

Anta

Tapirus terrestris

Quati

Nasua nasua

Mutum-de-penacho

Crax fasciolata

Cervo-do-Pantanal

Blastocerus dichotomus

Ouriço

Coendou sp.

Onça-pintada

Panthera onca

Onça-parda ou Suçuarana 

Puma concolor

Cateto

Tayassu tajacu

Tatu-canastra

Priodontes maximus

Queixadas

Tayassu pecari

Lobete ou cachorro-do-mato

Cerdocyon thous

 

  • Pesquisa com Onça-Pintada (Panthera onca )

A Ecotrópica apoiou um projeto, elaborado pela equipe do ICMBio, Pró Carnívoros, Universidade de São Paulo-USP e Panthera, para captura e aparelhamento de Onças-pintadas (Panthera onca) com colares equipados com radiotransmissor, GPS via satélite e sistema eletrônico de segurança “Drop-off”,  na região do Parque Nacional do Pantanal e nas RPPNs do entorno. Dezoito meses após a ativação do colar, a função Drop-off  o libera automaticamente do animal mas permanece ligado emitindo sinal para garantir o seu resgate. 

 

  •  Coleta e Identificação Botânica

Expedição de campo de 20 alunos e professores do Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS para atividades de coleta e identificação. O Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal da UFMS realiza anualmente, a disciplina obrigatória Botânica de Campo, que tem como objetivo promover o conhecimento da vegetação do Pantanal, assim como técnicas de coleta botânica. No decorrer da disciplina foram realizadas expedições de coletas e identificação de material botânico dos mais diversos ambientes da região.

pesquisa

  • Inventário Florístico na Serra do Amolar

Expedição de campo de equipe do ICMBio e Centro de Conservação da Flora do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, através do Projeto Inventário em Áreas Prioritárias para Conservação, para realizar inventário Florístico com enfoque prioritário nas formações campestres das áreas montanhosas na Serra do Amolar.

 

  • PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS

Manutenção de Equipamentos de Combate a Incêndio. Revisão, teste de funcionamento, consertos eventuais de motobombas, mangueiras, carro pipa, trator e demais equipamentos manuais.

 

 

 

MANUTENÇÃO DA SEDE DA ECOTRÓPICA EM CUIABÁ

 

 


2003 - 2007

ATIVIDADE
Projeto Rio Cuiabá + Limpo
APOIO
Refrigerantes Marajá

Descrição

RIO CUIABÁ + LIMPO
Apoio: Refrigerantes Marajá


A finalidade básica do projeto é promover a conscientização para a valorização do Rio Cuiabá buscando a sua conservação, desenvolvendo ações e iniciativas como:

  • Coletar o máximo de materiais, flutuantes ou não, presentes no rio, a fim de  auxiliar na sua  recuperação;
  • A conscientização da população, principalmente em escolas e bairros quanto a importância da conservação de nossos recursos naturais;
  • Tornar este trabalho um hábito para a comunidade envolvida;
  • Desenvolver com a sociedade a criação de cooperativas de reciclagem;
  •  O despertar do poder público a realizar estas ações em prol do meio ambiente.

marajaoncamarajauva


2003

ATIVIDADE
CONSOLIDAÇÃO DAS RPPNs DA ECOTRÓPICA NA BACIA DO ALTO PARAGUAI
APOIO
WWF

Descrição

CONSOLIDAÇÃO DAS RPPNs DA ECOTRÓPICA NA BACIA DO ALTO PARAGUAI
Apoio: WWF

O presente projeto teve como objetivo:

  • Buscar a consolidação das RPPNs Acurizal, Penha e Dorochê, enquanto Unidades de Conservação, Zonas Núcleo da Biosfera e componentes do Complexo de Áreas Protegidasconsiderada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade, estabelecendo as bases para a sustentabilidade econômica das RPPNs através do planejamento daS atividades de uso público, apoio de corporações/empresas ou de fundos de financiamento;
  • coordenar as atividades correlacionadas ao manejo das RPPNs que estão sendo desenvolvidas através de financiamentos negociados com diferentes instituições;
  • efetuar uma análise crítica das RPPNs quanto a sua relevância para a conservação da biodiversidade, formas de manejo e potencial de uso sustentável.


Para subsidiar as atividades de manutenção e controle das RPPNs a Ecotrópica recebeu o Apoio Institucional da WWF por um período de quatro meses; ao término deste, Fevereiro de 2003, a Ecotrópica teve o compromisso de buscar apoio de corporações/empresas ou de fundos de financiamento para dar continuidade a este projeto de duração permanente.


2003 - 2005

ATIVIDADE
Apoio às Atividades de Conservação do Corredor Norte/Sul do Pantanal Mato-grossense
APOIO
Conservation International

Descrição

APOIO A ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO DO CORREDOR NORTE/SUL DO PANTANAL MATO-GROSSENSE
Apoio: Conservation International (CI)

Tem como objetivo a implementação de um programa de longo prazo capaz de gerar conhecimentos e treinamentos de novos profissionais aptos a monitorar os aspectos bióticos e abióticos de Corredor Norte/Sul, ao longo do Rio Paraguai, que contribua para a formação de diretrizes conservacionistas e políticas públicas para a proteção do Pantanal, sua biodiversidade e funções ecossistêmicas, através da aquisição e operacionalização de uma unidade flutuante de pesquisa (embarcação) para monitoramento e treinamento ambiental no eixo do Rio Paraguai e seus principais tributários na planície.

 


2002 - 2003

ATIVIDADE
Caracterização da Estrada Parque Transpantaneira
APOIO
WWF

Descrição

CARACTERIZAÇÃO DA ESTRADA PARQUE TRANSPANTANEIRA
Apoio: WWF


 A Estrada Transpantaneira é parte da MT 060 que liga a cidade de Poconé-MT, ao Complexo Turístico de Porto Jofre, às margens do Rio Cuiabá. Em função da concentração de fauna que ela gerou e pela necessidade da conservação do entorno, a Transpantaneira, através do Decreto Estadual n.º 1.028, de 26 de Julho de 1996, foi transformada em uma Unidade de Conservação Estadual, denominada ESTRADA PARQUE TRANSPANTANEIRA.


        O objetivo geral da pesquisa é caracterizar a Estrada Parque Transpantaneira quanto aos seus aspectos físicos, biológicos, sociais e econômicos para embasar a tomada de decisões no tange o manejo conservacionista e o desenvolvimento sustentável desta Unidade de Conservação.

 

 


2002

ATIVIDADE
Intercâmbio para Capacitar estudantes em Ecologia de Áreas alagadas
APOIO
Students Conservation Association (SCA) - USA

Descrição

INTERCÂMBIO PARA CAPACITAR ESTUDANTES EM ECOLOGIA DE ÁREAS ALAGADAS
Apoio: Students Conservation Association (SCA)

Os estagiários receberam orientação e treinamento para atuarem nas seguintes atividades:

  • avaliação rápida da vegetação;
  • avaliação rápida da herpetofauna;
  • uso de protocolos mínimos direcionados para a obtenção de dados sobre riqueza ecológica de flora/fauna de habitats selecionados;
  • censo florístico por comunidade/por gradiente;
  • reconhecimento de espécies florestais tropicais de unidades de ambientes de savana e de floresta decídua;
  • herborização de material para montagem de coleção de referência da vegetação;
  • montagem, manutenção e inspeção periódica de armadilhas de interceptação e queda para amostragem de diplópodos, de anfíbios, répteis e pequenos mamíferos de hábitos terrestres;
  • leitura de mapas e imagens de satélite;
  • utilização de GPS para o georreferenciamento de pontos de coleta de material;
  • utilização de programas de computador para realizar o mapeamento das atividades executadas no campo.


 


2002 - 2003

ATIVIDADE
Inventário da biodiversidade na Serra do Amolar
APOIO
MMA/PROBIO/GEF/CNPQ/Banco Mundial

Descrição

INVENTÁRIO DA BIODIVERSIDADE NA SERRA DO AMOLAR
Apoio: MMA/PROBIO/GEF/CNPq/BANCO MUNDIAL

Com objetivo de obter informações primárias sobre a flora e a fauna em distintas unidades de paisagem da Serra do Amolar, na borda oeste do Pantanal, visando uma melhor caracterização da relevância biológica da área, sua importância para a conservação e seus relacionamentos biogeográficos. Tais informações deverão constituir subsídio fundamental para discussões sobre a proteção e o  manejo da biodiversidade local e  orientar decisões relativas a uma possível expansão da área protegida.  

Como alvo principal dos levantamentos faunísticos,  grupos taxonômicos com elevado potencial como indicadores biológicos foram selecionados.


2002 - 2003

ATIVIDADE
SIG Pantanal (Sistema de Informações Georeferênciadas do Pantanal)
APOIO
Ducks Unlimited, Inc

Descrição

SIG-PANTANAL, ÁREA PILOTO II
Apoio: Ducks Unlimited, Inc

Compilação de uma base de metadados geoespeciais em Metalite das referências cartográficas da DSG-IBGE, RADAMBRASIL, PCBAP, WAB e imagens satelitais LANDSAT TM, para a Bacia do Alto Paraguai no estado de Mato Grosso;
Construção de um fotoíndice para a parte mato-grossense da Bacia do Alto Paraguai contendo a identificação da cobertura aerofotográfica do SAT-10/USAF de 1966 e outras disponíveis.


2001 - 2002

ATIVIDADE
Parque Nacional do Pantanal e parceria para a sustentabilidade
APOIO
MMA/PROBIO

Descrição

PARQUE NACIONAL DO PANTANAL E ENTORNO, PARCERIA PARA A SUSTENTABILIDADE
Apoio: MMA/PROBIO

Como objetivo principal o presente projeto buscou subsidiar e promover ações para o desenvolvimento sustentável das comunicações do entorno do Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense. Para tal foram empreendidos esforços no sentido de:

  • ordenar e redirecionar o esforço de pesca no entorno do mesmo;
  • ordenar o uso e o extrativismo dos recursos da biodiversidade no entorno do Parque Nacional do Pantanal;
  • propor medidas para o ordenamento das atividades de ecoturismo no Parque Nacional e seu entorno;
  • Identificar atividades produtivas alternativas para o desenvolvimento sustentável das comunidades do entorno do Parque Nacional. A perspectiva é que se possa gerar um processo de conscientização acerca das questões ambientais.


Diagnósticos e Zoneamento: Foram realizados levantamentos sócio-econômicos das comunidades do entorno imediato do Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense, sendo que este foi o primeiro projeto que envolveu esta comunidade. A produção de mapas foi realizada, com apoio de imagens de satélite Landsat ETM 7, de 2001, nas bandas 3, 4 e 5 e de GPS (Global Positioning Sistem) para a localização de todas as famílias que moram na Ilha Paraíso, conhecida neste projeto como "Comunidade da Barra", para a realização do zoneamento das atividades existentes na região.

Principais dificuldades e soluções/alternativas: O conflito entre a utilização desejada pelas comunidades e a legislação das UCs dificultam sobremaneira a coleta de informações. Mas apesar dessas dificuldades, procurou-se salientar a importância da organização e a representação por parte das comunidades.

Principais atividades econômicas do entorno: O turismo é a principal atividade econômica envolvendo a pesca-amadora e a coleta da isca-viva: o caranguejo-vermelho (Dilocarcinus pagei).

As principais atividades que foram apontadas para o entorno: Para a Comunidade da Barra, município de Corumbá foi apontada a necessidade da Formação de banco um de dados com ênfase para dados sobre pesca.


2000 - 2003

ATIVIDADE
Plano de Manejo
APOIO
GEF/ANA/PNUMA/OEA

Descrição

PLANO DE MANEJO DAS RPPNs ACURIZAL, PENHA E DOROCHÊ

Apoio: GEF/ANA/PNUMA/OEA

 

  • Tem como objetivo geral "Contribuir para a conservação da biodiversidade e dos ciclos biogeoquímicos do Pantanal através do estabelecimento de pautas de manejo para Unidades de Conservação de Uso Indireto Federais e Privadas" ;

 

  • como objetivos específicos "Dotar o Complexo de Áreas Protegidas formado pelo Parque Nacional do Pantanal e as RPPNs Acurizal, Penha e Dorochê de um Plano de Manejo exeqüível e participativo que, considerando as variáveis envolvidas, indique ações de manejo que garantam a incolumidade das áreas protegidas e que seja bastante flexível para absorver novas descobertas científicas ou outras alterações que possam vir a se refletir direta ou indiretamente sobre a biodiversidade destas áreas".

 


2000 - 2003

ATIVIDADE
Fortalecimento da Captação Local como base para auto-suficiência financeira da Ecotrópica
APOIO
Fundação AVINA

Descrição

 FORTALECIMENTO DA CAPTAÇÃO LOCAL COMO BASE PARA A AUTO-SUFICIÊNCIA DA ECOTRÓPICA

Apoio: AVINA

 

Este projeto foi finalizado em Janeiro de 2003, e teve como objetivo:

 

  • consolidar o setor de Desenvolvimento Institucional da Ecotrópica;
  • ampliar e diversificar a captação financeira da Ecotrópica em Mato Grosso e
  • identificar lideranças dos setores empresariais de Mato Grosso que possam apoiar a Ecotrópica.

2000 - 2010

ATIVIDADE
Gestão compartilhada para monitoramento, controle e combate a incêndios florestais na região so Sitio do Patrimônio Natural Mundial e Serra do Amolar
APOIO
Instituto Homem Pantaneiro

Descrição

 MONITORAMENTO, CONTROLE E COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS.

A necessidade de controlar os incêndios florestais na região do Sítio do Patrimônio Natural Mundial e na Serra do Amolar levou a Ecotrópica em parceria com o Instituto Homem Pantaneiro a realizar uma gestão compartilhada para monitorar, controlar e combater incêndios na região. A instituição fez o cadastramento das RPPN’s junto ao INPE para auxiliar no monitoramento e prevenção da dinâmica das queimadas na região, o INPE envia diariamente fotos de satélites que fazem o controle dos focos de queimadas em todo o território Brasileiro.


Foco de Incêndio na RPPN Doroche

 Foco de Incêndio na RPPN Doroche.

 

 

Foco de incêndio na RPPN Penha.

 

 •                    Manutenção de Equipamentos de Combate a Incêndio, revisão, teste de funcionamento, consertos eventuais de motobombas, mangueiras, carro pipa, trator e demais equipamentos manuais.

 


                    Combate a Incêndio; todos os focos de incêndios ocorridos nas Reservas foram combatidos com grande eficiência graças as parcerias que são firmadas. Em 2010 ocorreram 3 grandes focos de incêndio  que foram combatidos com o apoio do Prevfogo do PARNA Pantanal, Corpo de Bombeiros e Defesa Civil de Corumbá.

 



1998

ATIVIDADE
Ecoturismo
APOIO
The Ashoka Society / EUA; The Nature Conservancy / EUA; McKinsey Company / Brasil.

Descrição

Estudos de mercado e viabilidade para implantação de ecoturismo na Reserva Acurizal.


1998

ATIVIDADE
Ecotrópica Mostra o Pantanal.
APOIO
Stichting DOEN / Holanda.

Descrição

Realização da 1ª Mostra Multimídia sobre o Pantanal Mato-grossense em comemoração à Semana do Meio Ambiente, no Ática Shopping Cultural - São Paulo.


1998

ATIVIDADE
Reservas Privadas.
APOIO
Fundos privados.

Descrição

Aquisição da Fazenda Rumo ao Oeste, complementando a área protegida na zona tampão do Parque Nacional do Pantanal.

A RPPN Rumo ao Oeste agrega mais 990 hectares às áreas protegidas no Pantanal. Está localizada na Lagoa Gaiva, no limite noroeste da RPPN Acurizal e também pertence à Fundação Ecotrópica. 

A Reserva foi  reconhecida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - SEMA/MS através da Deliberação n.º 022 - CECA/MS em 08 de junho de 2005.


1998

ATIVIDADE
Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN).
APOIO
The Nature Conservancy / EUA.

Descrição

Reconhecimento das Fazendas Acurizal, Penha e Dorochê como RPPN por decreto do IBAMA.


1996 - 1997

ATIVIDADE
Suficiência Financeira.
APOIO

Descrição

  • Elaboração de Plano para Suficiência Financeira;
  • Criação de departamento do marketing.

1996

ATIVIDADE
Saúde Pública
APOIO
Kellogg Foundation / EUA.

Descrição

Apoio ao Projeto "Novas Práticas na Formação de Enfermeiros e Nutricionistas" da Faculdade de Enfermagem e Nutrição da Universidade Federal de Mato Grosso, com a criação de posto de saúde em região de baixa renda de Cuiabá.


1996

ATIVIDADE
Recuperação de Áreas Degradadas.
APOIO
Unibanco Ecologia / Brasil.

Descrição

Criação de um viveiro de mudas de espécies nativas e sua introdução em áreas degradadas da Fazenda Acurizal.


1995 - 1996

ATIVIDADE
Aquisição da Fazenda Acurizal Penha e Dorochê.
APOIO
The Nature Conservancy / EUA.

Descrição

A aquisição da Fazenda Acurizal Penha e Dorochê teve como objetivo aumentar a biodiversidade do Parque Nacional do Pantanal através da criação de reservas particulares na zona tampão do Parque.


1993 - 1995

ATIVIDADE
Subsídios para o Plano de Manejo da Bacia Hidrográfica do Rio Cuiabá.
APOIO
The Nature Conservancy / EUA.

Descrição

Levantamento de dados e estudos de campo em geologia, geomorfologia, hidrologia, botânica e zoologia para definir um desenvolvimento sadio e um modelo de uso sustentável da bacia hidrográfica que forma o Pantanal.


1993

ATIVIDADE
Centro de Informação Ambiental.
APOIO
Fundação O Boticário / Brasil; Conservation International / EUA; Fundação Oro Verde / Alemanha; Projekt Tropischer Regenwald / Alemanha.

Descrição

Implementação do primeiro centro de informação no Sistema "Windows" para a região do Pantanal.


1993

ATIVIDADE
Biodiversidade e Plantas Medicinais.
APOIO
Artists United for Nature / Alemanha.

Descrição

Seminário sobre conhecimento popular e científico em plantas medicinais.


1993

ATIVIDADE
Meio Ambiente e Saúde.
APOIO
Artists United for Nature / Alemanha.

Descrição

Apoio à tese "Determinações socioeconômicas para a introdução do uso intensivo de agrotóxicos no Brasil".


1993

ATIVIDADE
Biodiversidade.
APOIO
CIEL - Center for International Environmental Law.

Descrição

Seminário sobre os compromissos firmados na Convenção da Biodiversidade / UNCED.


1992 - 1994

ATIVIDADE
Reservas Privadas.
APOIO
Fundação Oro Verde / Alemanha; Revista Eine Herz für Tiere/ Alemanha; Rotary Club / Alemanha; The Nature Conservancy / EUA; fundos privados.

Descrição

Ações de fundraising para a aquisição de áreas representativas e criação de propostas e modelos-piloto de desenvolvimento sustentado.


1992 - 1993

ATIVIDADE
Análise Ambiental do Rio Cuiabá.
APOIO
WWF / EUA.

Descrição

Preparação de pesquisas preliminares para suporte ao Plano de Conservação da Bacia do Rio Cuiabá.


1992

ATIVIDADE
Agricultura e Agrotóxicos.
APOIO
Artists United for Nature / Alemanha.

Descrição

1º Seminário sobre Agrotóxicos em Mato Grosso e criação do Grupo Permanente de Estudos em Agrotóxicos.


1992

ATIVIDADE
Índios Isolados.
APOIO
Fundação Oro Verde / Alemanha; Projekt Tropischer Regenwald / Alemanha.

Descrição

Realização  em conjunto com a AWARU, do "1º Seminário sobre Índios Isolados do Mato Grosso" e criação da Comissão para o Apoio à Índios Isolados.


1992 - 1993

ATIVIDADE
Estudo sobre Ecoturismo.
APOIO
Conservation International/EUA.

Descrição

Apoio à tese: "Perspectivas sociais, econômicas, jurídicas e ambientais de turismo no Pantanal, Mato Grosso".


1991

ATIVIDADE
Grupos de trabalho para desenvolvimento de propostas.
APOIO
WWF / EUA e WWF / Canadá.

Descrição

Treinamento para ONGs conservacionistas e indigenistas do Centro-Oeste do Brasil, buscando habilitá-las a desenvolver propostas de projetos a serem apresentados a possíveis doadores.


1991

ATIVIDADE
Estudos sobre Impacto Ambiental e assuntos relacionados.
APOIO
CIEL - Center for International Environmental Law / EUA.

Descrição

Série de palestras com a participação da comunidade, abordando questões relacionadas aos impactos ambientais e sociais causados pelo desenvolvimento, assim como a participação de mecanismos na avaliação de estudos sobre impacto ambiental e assuntos relacionados.


1990 - 1993

ATIVIDADE
Fortalecimento Institucional .
APOIO
Conservation International / EUA; WWF / EUA; WWF International; Fundação Oro Verde / Alemanha; Artists United for Nature / Alemanha; The Mott Foundation / EUA; The Ashoka Society / EUA.

Descrição

Aquisições:

  • da sede;
  • infra-estrutura;
  • equipamentos;
  • banco de dados;
  • custeio de despesas correntes;
  • manutenção e pessoal.

Rua 03, 391, Boa Esperança, Cuiabá/MT, CEP 78068-375
Fone: 55 65 3052-6615
Fax: 55 65 3052-6619
ecotropica@ecotropica.org.br